Da Villa Catharino ao Palacete das Artes

O Palacete do Comendador Bernardo Martins Catharino, também chamado de “Villa Catharino” teve seu projeto arquitetônico arrojado e inovador, idealizado pelo arquiteto Rossi Baptista e decorado por Oreste Sercelli, sendo concluído em 1912. Expressando a ânsia que a burguesia baiana tinha por modernização ao modo dos ingleses e franceses; o chamado “Palacete Catharino”, situado no bairro da Graça, representa o forte poder econômico de algumas famílias baianas, e nesse caso específico, evidencia a grandeza artística de uma obra arquitetônica monumental, onde mais que residência, serviu também, como instrumento raro de fruição artística para os habitantes da antiga Cidade da Bahia.

Em 09 de junho de 1986, o tombamento da “Villa” ou Palacete Catharino foi proposto pelo antropólogo Thales de Azevedo e aprovado pelo Conselho Estadual de Cultura, tornando-se o primeiro imóvel de estilo eclético tombado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), pelo Decreto 33.252, sob o processo 004/82 .

Após o tombamento, o Palacete abrigou a Secretaria Estadual da Educação e Cultura e os Conselhos Estaduais de Educação e de Cultura, até ser destinado a sediar o Palacete das Artes, em 2003.

Para esta finalidade, o prédio foi escolhido por um conjunto de características favoráveis, sendo uma delas o fato de guardar uma relativa semelhança com o Hotel Biron, local onde está instalado o Museu Rodin Paris (edificação do século XVII), uma vez que o estilo eclético guarda fortes referências arquitetônicas francesas.

Com o novo uso proposto, o Palacete recebeu um grande projeto de restauração e adaptação, com redimensionamento de alguns espaços internos e recuperação de todos os seus elementos estruturais e decorativos. Adaptou-se à mansão um anexo, de traços arquitetônicos modernos, projetado pelos arquitetos Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci, que passou a ser chamado de Sala Contemporânea, destinada a abrigar exposições temporárias. Um projeto bem sucedido, que, em 2006, recebeu o primeiro lugar da Bienal de Arquitetura da Venezuela e o segundo lugar na Bienal de Arquitetura Argentina.

Também foram incorporadas aos jardins do Palacete quatro peças do escultor Auguste Rodin, adquiridas junto ao Museu Rodin Paris, que passaram a embelezar sobremaneira a espacialidade do museu.

Fonte: De Villa Catharino a Museu Rodin Bahia 1912 – 2006: Um Palacete Baiano e sua História. Org. Katia Fraga Jordan. 2006
Palacete das Artes - Rodin Bahia
Rua da Graça, 289 - Graça
40150.060 - Salvador, Bahia, Brasil
Tel.: +55 (71) 3117-6987 / 6910